#Dicas de escrita – O coração da história

Se você é um aspirante a escritor e quer aprender o ofício, vamos falar de algo importante, aquilo que prende nossa atenção, a parte mais importante e que você não deve negligenciar, tão essencial quanto um órgão vital: o conflito.o coração da históriaBem, a princípio podemos querer criar personagens cativantes e únicos, uma configuração extraordinária, com cenários especiais que nos transportem para outra realidade, tudo isso é ótimo, maaaass… se o conflito não for instigante e poderoso, você estará em apuros. É por causa dele que o leitor irá devorar as páginas e se perguntar por que o livro acabou.

Quando a receita é boa a gente dobra, não é? Então, nada de um único e solitário conflito. É claro que precisamos de um que seja o principal, intrigante e envolvente, mas podemos ter vários secundários: um conflito interno, externo, romântico, de identidade, social, natureza, trabalho, familiar. A história não deve girar em torno de um único ponto porque ficará cansativa e irreal. A vida de uma pessoa é um turbilhão de coisas acontecendo ao mesmo tempo e com seu personagem não pode ser diferente. Cada cena deve ser estruturada em um conflito, ou até mais se você for hábil para não tornar o texto confuso. Assim como as leis da física sustentam o mundo, essa é a lei que irá garantir o sucesso ou fracasso de sua história. Quando iniciamos uma leitura devemos identificar quem está em cena, o ambiente, e qual é o grande conflito. Porque personagens precisam ter uma meta, um objetivo para cumprir, um sonho que pareça impossível, se não for assim, explique-me o que seu personagem está fazendo ali vagando sem rumo por sua história?

Mais uma vez aqui a equação de equilíbrio do seu conto:

Cena = Personagem + Ambiente + Conflito

Cada personagem deve ter uma motivação forte para perseguir um conflito, essa é a forma mais fácil de criá-los. Por exemplo: é muito mais impactante quando o herói salva a vida do seu interesse romântico que de alguém com quem o leitor não esteja emocionalmente envolvido.

Então, agora que você já tem a primeira peça do nosso quebra-cabeça, seja razoável e a use imediatamente em sua história. Nada de começar um livro com informações demasiadas sobre os personagens e cenários, o início deve conter mais ação e drama para capturar o interesse do seu leitor, você terá tempo de aprofundar nos personagens e mergulhar no cenário algumas páginas mais adiante. Mas veja bem, é claro que para que o conflito funcione, você precisa ser astuto e distribuir algumas dessas informações no início, estabelecendo personagens simpáticos, que criem uma raiz de interesse no leitor, apenas não o explore demais, deixe que o leitor tenha vontade de descobrir mais sobre ele, a mesma curiosidade deve ser despertada sobre o cenário. A trama central deve ser introduzida com promessas difíceis de cumprir, prenunciando ao leitor um poderoso impacto emocional, juntamente com informação suficiente sobre personagens e configuração para que ele se sinta emocionalmente envolvido no sucesso do protagonista. Então lembre-se: o conflito é o coração da história.

Esta semana o e-book do meu livro O Vale das Borboletas está por R$1,99 na Amazon, clique para comprar.

Beijos no coração e espero os comentários de vocês sobre o texto ;)